Histórias curiosas da literatura

Os bastidores e curiosidades do mundo literário podem te surpreender: quem foi o autor latino- americano que deu um soco na cara de outro grande escritor, porque o ex- amigo havia “dedurado” à sua esposa sobre o affair com uma modelo americana? Qual grande autor irlandês pegou sífilis em um bordel e contagiou a esposa e a filha ainda em seu ventre? Que autor inglês sofria uma espécie de nanismo?

Achei um livro muito interessante, “Histórias curiosas da literatura- de Dante a Hemingway”, de Ana Andreu Baquero, em espanhol, não sei se tem edição brasileira. É dele que tirei todas as informações a seguir:

Mario Vargas Llosa X Gabriel García Márquez. Em 1975, depois da exibição privada de um filme em Nova York, Gabo aproximou- se de Mario Vargas Llosa para cumprimentá- lo, pois eram grande amigos e fazia tempo que não se viam, e este, sem dizer nada, deu- lhe um soco na cara de Gabriel García Márquez, deixou- o nocauteado no chão. Ninguém entendeu nada. Depois de um tempo descobriu- se que foi porque Gabo comentou com Patrícia, esposa de Llosa, que ela deveria separar- se do marido, pois seu ele tinha um romance tórrido com uma modelo americana.

Parece que James Joyce gostava de andar pelos prostíbulos de Dublin. Foi ele que contraiu sífilis e passou para a esposa e a filha ainda no ventre. A doença deixou sequelas em toda a família. A filha sofreu problemas mentais a vida toda. Joyce ficou com problemas de visão, impotente, com depressão e paranoia. Ele consultou mais de trinta médicos, mas nunca terminava os tratamentos por causa do seu caráter inconstante. Sobre a impotência: com medo da esposa deixá- lo, ele deu carta branca para que tivesse relacionamentos extra- conjugais. Inclusive os utilizou como inspiração para o triângulo amoroso em “Ulisses”.

O autor inglês que sofria de nanismo, era o escritor de Peter Pan, James Matthew Barrie. Agora dá para saber de onde surgiu a inspiração para o seu protagonista, o menino que nunca conseguia crescer.

Pobre Oscar Wilde. Preciso fazer um post só para ele. O autor irlandês de “O retrato de Dorian Gray” morreu muito pobre em um quarto de hotel em Paris e ouvindo o médico e um de seus amigos discutirem sobre quem iria pagar o seu funeral. Com um sopro de voz conseguiu dizer: “é evidente que morro acima de minhas possibilidades”. Morreu por causa de uma meningite.

Fiódor Dostoiévski escapou da morte prematura por pouco, um dos meus autores favoritos, grande, grandíssimo escritor. O russo já era um autor consagrado, quando foi preso e condenado por suas ideias revolucionárias e socialistas. Ele chegou a ficar na frente do pelotão de fuzilamento com uma venda nos olhos. Alguém deve ter pensado: “vamos matar o nosso melhor escritor!” (contribuição minha) e decidiram trocar a pena de morte por quatro anos de trabalhos forçados na Sibéria. Quando voltou escreveu “Recordações da casa dos mortos” (me falta ler este!), obra que retrata o drama que passou na Sibéria.

Este livro é uma joinha, são 232 páginas de muitas histórias interessantes, fatos, manias e a dura realidade nada glamourosa de grandes escritores do mundo.

Kindle: prós e contras

O meu iPad de quase dez anos pifou. Na verdade, mudei de ID Apple há alguns anos e o anterior que usava no iPad caiu num limbo irrecuperável, consta como inexistente, e com isto, o tablet ficou sem utilidade. Tentei recuperar o ticket de compra na loja, mas foi impossível. Sem poder provar que o eletrônico é meu, a Apple nada faz. Que isto sirva de alerta para quem tem um iPad.

Depois desta experiência ruim, saí em busca de outro tablet. Da Apple nem pensar! Na verdade só usava para ler e-books, o que me fez mudar de direção e ir atrás de um e- reader.

Os tablets são mais baratos que os e- readers. Absurdo, sendo que os primeiros são computadores portáteis, têm várias utilidades. Mesmo assim, insisti no e- reader, porque nunca tive e queria experimentar, além de não querer a distração da Internet.

Pensei primeiro no mais popular, o Kindle da Amazon. A desvantagem é que você só pode baixar livros da plataforma deles. O BQ Cervantes e outras marcas que vi, são aceitos outros formatos.

Mas aí eu vi o Kindle Paperblank, que é à prova d’água, perfeito para uma pessoa desastrada como eu, que vive com copos e taças perto dos eletrônicos. Ele tem textura agradável de papel, o tamanho perfeito para levar na bolsa, leve, a luz agradável e uma bateria que dura duas semanas e com capacidade para uns 4 mil livros (8 GB). E eu pensei: os livros eletrônicos que compro são quase que exclusivamente da Amazon…então, está decidido! Ah, e é possível ler arquivos PDF no Kindle, pelo menos nesta versão que eu comprei.

Trouxe comigo o Kindle. E tenho trinta dias de teste com o “Unlimited”, leitura “ilimitada”, mas não sei se compensa, porque não são todos os títulos e não gosto dessa obrigação mensal. Prefiro comprar só quando realmente precise ou queira.

Prefiro livro em papel, mas para viagens e quando não quero carregar peso, o e-reader é o ideal. Fora que ter uma biblioteca portátil salva os bibliófilos que já não têm tanto espaço em casa (eu!). Um não elimina o outro, se complementam.

Quando comecei a procurar uma capa na Amazon para este Kindle, detectei que me haviam vendido o 2018 pelo preço do mais novo de 2019. Voltei e devolvi. A diferença à primeira vista é muito sutil, a moldura da frente do novo é mais fina, além disso, o novo é melhor iluminado. Ainda ficou uma ponta de dúvida se aproveitaria melhor o tablet (é só colocar em “modo avião”, que a internet não atrapalha.)

Quem tem um Kindle? Vale a pena?!

A Nobel de Literatura 2018: a polaca Olga Tokarczuc

Por causa de um escândalo sexual na academia sueca em 2018, o anúncio do Nobel de Literatura foi adiado até este mês de outubro de 2019. O nome da escritora polaca Olga Tokarczuc foi anunciado junto com o Nobel 2019, o austríaco Peter Handke, mas dele vou falar em um outro post.

Olga Tokarczuc (Sulechów, Polônia, 29/01/1962) ganhou o maior prêmio da literatura mundial aos 57 anos. É uma mulher atual, lutadora, trabalhou como faxineira em Londres, antes de conseguir ganhar dinheiro com literatura. Psicóloga e ecologista, ganhou também em 2018, o The Booker Prize, no valor de 57 mil euros. Olga escreve há 30 anos. Ela é a 15ª mulher a ganhar o Nobel desde 1901, ou seja, dos 118 vencedores, só QUINZE mulheres!

E há gente que ainda reclama do empoderamento feminino (eles, claro, porque se tiver alguma mulher reclamando disso, merece um chapéu de burra e um cantinho na esquina da parede para pensar) . Precisamos nos unir e nos impor mais do que nunca, porque se depender deles, é isto que nos destinam: a periferia, a cozinha, o ostracismo, o papel secundário, as sombras, o descaso, a inferioridade, o servilismo, a cama.

O mesmo com a Academia Brasileira de Letras. Quem eles pensam que são?! Se bons fossem realmente, o Brasil não teria esta posição periférica em termos literários, podiam fazer melhor, não? Nem os próprios brasileiros sabem quem são, quanto mais. Ficam numa atitude inútil no seu mundo encantado confabulando e retro- alimentando seus próprios egos inservíveis para a sociedade. Inclusive, as poucas mulheres da ABL são muito mais ativas, atuantes e internacionais que a maioria deles: Nélida Piñón, Ana Maria Machado, Lygia Fagundes Telles. E negras? Nenhuma.

Olga recebendo o Man Booker Prize em 2018

Bem, mas voltando à polaca…Olga publicou dezenove livros e pelo que li, sua prosa é poética. Eu comprei a obra motivo do momento da foto acima…não tem tradução em português do Brasil, aliás na Cultura só achei um. Em espanhol ficou “Los errantes”, as críticas são excelentes.

Estou lendo agora um livro que estou gostando muito “O buda dos subúrbios”, de Hanif Kureishi, que irei postar resenha nesta semana e a próxima leitura será “Los errantes” de Olga, assim quando sair no Brasil você já terá lido a resenha aqui e não ficará “viajando”.

Vamos privilegiar mais a literatura escrita por mulheres? Irei focar nisto.

Resenha: Literati, de Barry McCrea

“Literati” lembra “Illuminati”, a sociedade secreta do século XVII, a qual Goethe e outros “iluminados” fizeram parte. Foi a única dedução que fiz sobre o livro a priori, pois não sabia absolutamente nada sobre o autor e a obra, só tinha o título e a sinopse: “Parecia um inocente jogo literário e acabou tornando- se um intrigante e perigoso vício”.

“Ressuscitamos o cemitério do pensamento humano de todos os tempos” (p.82)

O autor, Barry McCrea (1974) é irlandês de Dublin, com uma formação acadêmica sólida na área de Letras. Doutor em Literatura Comparada pela Princeton e professor de literatura na Yale.

Barry MacCrea

Dá para conhecer bastante da cultura irlandesa nesta obra. Referências e influências claras de James Joyce, o autor de Ulisses é citado várias vezes. A forma como fala de Dublin, seus bairros, ruas e pubs, lembra muito seu conterrâneo mais ilustre (mais nos primeiros capítulos). Inclusive o livro serve como guia turístico, os lugares existem mesmo, como o pub Hogan´s na Georges Street, a discoteca/bar Ri- Ra (em 2016 parece que fundiu- se com outra discoteca “The Globe”), o O’Neill’s na Suffolk Street e o Gonzaga College, por exemplo, que é um colégio religioso para meninos.

Um dos pubs irlandeses citados na obra

McCrea cita Sandycove, onde fica a casa do protagonista em Dublin. Neste bairro está a Torre Martello, que na verdade é uma espécie de farol ao pé do mar e que funciona como hotel. Neste ambiente começa “Ulisses”. Mas, sobre este livro, eu volto com a minha nova visão e retratação em outro momento. Eu fiz uma resenha muito negativa há anos e estou relendo e revisando. Sim, eu mudo de opinião, o leitor é camaleônico, uma mesma obra pode ser muitas, tal como o humano, senão seríamos muros (há quem seja).

O protagonista, Niall Lenihan, estudante de Letras e escritor, tal como o autor da obra (deve ser o seu alter ego) era apaixonado pelo colega do Ensino Médio e forçou situações para estar perto do rapaz até tornar- se o seu melhor amigo. Depois para foi para a universidade, mora numa residência estudantil, conhece outra estudante, Fionnuala (primeira vez que vi este nome) e começa a frequentar pubs noturnos, principalmente o gay “George”. Essa parte achei bastante entediante, pareceu- me narrativa adolescente.

A questão dos sotaques me chamou bastante a atenção. O narrador- personagem sabe de que lugar e classe social é o dublinense de acordo com o seu sotaque. O falar pode ser motivo de discriminação, de rótulos, acontece muito em todo o mundo. O autor brinca com o sotaque de uma garçonete espanhola, que forçou o típico sotaque da região. Nota- se que o autor é da área de Letras.

No primeiro capítulo, o protagonista vai de bebedeira em bebedeira até o final do segundo capítulo, onde acontece a revelação do jogo literário, no dia seguinte de uma festa, enquanto o grupo de universitários recuperava- se da noitada:

O jogo literário

A ideia é bacana: o jogo literário “(…) é uma forma de adivinhação conhecida há milênios…os babilônios, os árabes, os hebreus, os egípcios, todos a utilizaram.”

Trata- se de pensar (ou dizer) uma pergunta e abrir um livro aleatoriamente. A resposta estará no parágrafo lido. Uma espécie de oráculo, uma forma de comunicação mística e também com a sincronicidade da vida. Fatos aparentemente aleatórios, mas que na verdade não são. Tudo que acontece tem uma causa, tudo está interligado. Tem gente que faz isto com a Bíblia.

Até aí é legal, só que o “clube de leitura” vai muito além disto, é organizado, parece uma seita. Os que estão num nível inferior não podem conhecer quem está no topo e há muito secretismo e proibições.

Vou lançar no Instagram a tag #jogododestino. Quem topa brincar? Participe lá no @falandoemliteratura! Irei fazer uma demonstração nos stories (amanhã, sábado). Será que vai dar certo? Vamos conseguir respostas para as perguntas?

Mas, cuidado: é só uma brincadeira, não leve a sério como levaram os personagens desta história. Nosso cérebro e emoções são complexos e capazes de fazer milhares de associações. A leitura estimula a criatividade e não vá realmente acreditar ou modificar algo importante, tomar decisões por causa deste jogo, porque é isto: é só um jogo.

Segundo eles, o jogo “destinos” traz à tona o que há de mais misterioso na vida, a comunicação com o mundo do além, abre um portal para receber sinais de outros mundos que não podemos ver. Um portal de comunicação com o além. John e Sarah fazem parte do jogo e Niall os segue, insiste, até ser aceito e começam uma sessão de “destinos” no apartamento de John.

Dessa vez o jogo literário consiste em cada um ler um trecho de três livros diferentes e depois fazer a leitura simultânea sem parar. A experiência fez Niall perder a consciência. As vozes viraram uma espécie de mantra frenético, o jogo provocou um efeito similar ao consumo de um narcótico.

Niall passa o livro todo correndo atrás de Pedro Virgomare, uma figura que aparece no início, lhe fala uma frase enigmática, que o manteve intrigado todo o tempo. Essa parte é bem aborrecida. Niall vê Pedro de longe, corre atrás pelas ruas de Dublin, mas o cara sempre desaparece.

Achei o personagem principal volúvel, egoísta, não me cativou. Sua vida resume- se em bebedeira, sexo ocasional e descartar pessoas que lhe ajudam. É um sujeito altamente influenciável e meio esquizofrênico. Desprezou e magoou sua amiga Fionnuala, quando esta indaga se ele está usando drogas, mas está na verdade intoxicado pelos sincronismos das leituras em grupo, cria uma espécie de paranoia. Não só Niall, mas também John e Sarah perdem tudo por causa desse jogo literário obsessivo. Niall também não dá muita importância à sua família, a Chris, um cara legal que ele tem um affair e vive dando bolo, seu amigo de colégio e por assim vai. Parece que as pessoas egoístas e irresponsáveis têm sorte, sempre acham quem as ajude quando precisam, mas são ingratos por natureza, reiteram no erro.

No início, achei o jogo interessante, mas depois a história enveredou por um caminho que não gostei. O autor profanou a arte da leitura, como se ler pudesse transformar- se em algo extremamente daninho. Mas, pensando bem…apesar da desagradável sensação, pode mesmo: leia sem parar, não durma, não cuide das coisas cotidianas, da família, estudo, emprego, amores, busque significados “tortos” em tudo o que ler, acredite neles e faça o que mandam. Ou seja, desvirtue o objeto, o livro, transforme- o em outra coisa… pronto, o monstro foi criado. Inclusive eles destruíam livros, colavam partes de livros diferentes formando outro, tipo um livro Frankenstein.

Esta é uma obra esquisita. Nunca terminei uma leitura com uma sensação tão grande de desconforto. O afã de conhecimento transformado em loucura, obsessão. E isso pode acontecer com qualquer coisa, qualquer ideia fixa, irracional, que o sujeito tome como verdadeira. Que desastre quando se dá uma utilidade que não é da própria natureza do objeto.

Este livro foi ruim como um vício: você sabe que está fazendo mal, mas não consegue deixar de ler. Tal como o protagonista, o estudante de Letras de 19 anos, que pensou entrar num clube literário e caiu numa armadilha. Eu só desejava que acabasse.

Não recomendo, nem deixo de recomendar. É um livro estranho, que me assustou um pouco, é chocante e labiríntico, provocou- me agonia ver o protagonista entrando num círculo de auto- destruição. A impressão que fiquei é que deve ter algo de auto- biográfico, possivelmente o autor viveu algo das situações narradas. Ou não…só ele sabe. Eu não consegui adivinhar o final, que foi sem graça , por sinal…

Ah, como citei, este livro é um ótimo guia de Dublin, talvez o que mais tenha gostado. Inclusive deixo aqui o link da RTE de Dublin para quem está estudando inglês, você pode ouvir e ver rádio, TV, notícias de Dublin ao vivo. Inclusive tem um artigo em “lifestyle” que diz que 50% da nossa felicidade é genética, 10% e 40% atividades que nós escolhemos. Temos 50% de chance de vencer o determinismo genético.

Abaixo a edição espanhola lida, da editora Destino:

Foto: Fernanda Sampaio

Próxima resenha: “O buda dos subúrbios”, de Hanif Kureishi, que começarei a ler hoje. Quero zerar a pilha de livros autografados, um desafio que coloquei para mim mesma. E você, o que está lendo?

Já me segue no Instagram? Vai lá e conta que veio do blog que eu te sigo: @falandoemliteratura

Escritura Criativa com Antônio Torres em Madri

Antônio Torres (Sátiro Dias, 1940) é o escritor da obra “Essa terra”, que está entre as cinco primeiras da minha lista de preferidas da literatura brasileira. Antônio Torres é simpático, acessível, mantém uma comunicação fluida com seus leitores, é um “cara” legal.

Hoje eu o conheci pessoalmente em Madri numa master class sobre escritura criativa, só havia eu de brasileira.

Algumas conclusões sobre o ofício da escritura:

  • Disciplina: a diferença entre duas pessoas que sonham em escrever um livro, uma que consegue e a outra não, é a constância e o trabalho. Bom ou ruim, publicando ou não, a pessoa disciplinada consegue chegar ao final. Há distrações demais e desconectar- se de todas não é tão fácil. É necessário despedir- se de tudo que tire a atenção do escritor.
  • Solidão: escrever é um ato solitário e que exige atenção total. É das poucas coisas na vida que não podem ser feitas junto com alguma outra. Escrever é enfrentar a solidão e dialogar com os próprios pensamentos e emoções. Mergulhar neste mundo interior de recordações e experiências nem sempre agradáveis pode ser desgastante, muita gente foge disto.
  • Escolhas: para escrever é preciso deixar de fazer alguma outra coisa. O tempo é curto e algo vai ter que ficar para trás.
  • Técnica: Antônio Torres acha que pode- se aprender a escrever (tal como pensamos a literatura, como Arte). Ele falou sobre o conflito que é o X da narrativa. E o conflito clássico por excelência é o relacionamento homem x mulher. E eu acrescento: ou homem x homem, ou mulher x mulher. O que se faz com isso já fica por conta do talento do escritor ou escritora. Torres acha que não há problema que um texto esteja inspirado em outro, que lembre outro. Essa é uma questão que concordo parcialmente. Quando lembra demais me parece uma grande falha do autor. Acho que a “originalidade” é uma grande virtude, a mais difícil de se conseguir. Dentro dos arquétipos clássicos, quem consegue contar a mesma coisa de uma forma “diferente” é rei ou rainha.
  • Musicalidade: Antônio Torres narra como quem compõe uma obra musical. Há que se observar o ritmo, a cadência das palavras.
  • Critério: escolher a palavra certa é uma tarefa hercúlea muitas vezes para o autor. James Joyce uma vez foi encontrado por seus amigos deitado na mesa da cozinha, preocupado: “hoje só escrevi cinco palavras e não sei em que ordem colocá- las”. O autor demorou sete anos para escrever Ulisses, hiper- crítico com seu trabalho. Saramago jamais escrevia mais de duas folhas por dia…enfim, a palavra é para ser escolhida com pinça cirúrgica.

Escrever é começar algo sem tempo certo para terminar. Isto provoca ansiedade em muito sonhador ou sonhadora, que desiste antes de começar.

Antônio Torres, Residencia de los Estudiantes, 29/10/2019 (foto: Fernanda Sampaio)

O evento aconteceu na “Residencia de los estudiantes“, um centro estudantil- cultural fundado em 1910 na cidade de Madri, no bairro Chamberí, com o objetivo de complementar o ensino universitário proporcionando interação entre artes e ciências, além da criação e difusão. Muitos intelectuais ilustres frequentaram a Residência, a prata da casa: Miguel de Unamuno, Alfonso Reyes, Manuel de Falla, Juan Ramón Jiménez, José Ortega y Gasset, Pedro Salinas, Blas Cabrera, Eugenio d’Ors ou Rafael Alberti, por exemplo, e também os visitantes: Albert Einstein, Paul Valéry, Marie Curie, Igor Stravinsky, John M. Keynes, Alexander Calder, Walter Gropius, Henri Bergson e Le Corbusier.

A Residência também é dormitório para estudantes. É um lugar bastante interessante, com gente também muito interessante e inspiradora.

Na próxima quinta- feira estarei lá e prometo tirar mais e melhores fotos para vocês sentirem o ambiente incrível do lugar.

Foi um prazer receber um baiano, um brasileiro para dar dicas sobre a arte literária na terra de Cervantes. Este tipo de brasileiro que nos orgulha aqui fora.

Já me segue no Instagram? @falandoemliteratura

Sorteio de livros!

Ordenando as minhas estantes nesta semana, encontrei livros duplicados (e novos!) que sortearei para vocês.

Os livros em questão são: “Gramática da Língua Portuguesa”, de Clara Amorim e Catarina Sousa, uma edição portuguesa, e “Contos de aprendiz”, de Carlos Drummond de Andrade, que é um clássico da literatura brasileira:

Para participar basta seguir o Falando em Literatura no Facebook e no Instagram, eu irei conferir. Postarei no Instagram a foto oficial e nela você terá que marcar uma pessoa. Não vale perfis comerciais ou fechados. E se eu notar que é fake, também será descartado. Escolha alguém que more perto de você, porque os dois livros serão enviados para o seu endereço, mas um dos livros é para quem você marcou. Sorteado e marcado decidem com qual livro ficar.

Detalhe importante: o sorteio é restringido só à Europa.

UPDATE 17 de outubro: Devido à falta de interesse da turma da Europa, os livros serão doados aos meus alunos de Madri. E os próximos sorteios serão exclusivos para o Brasil.