“O tempo envelhece depressa”, Antonio Tabucchi

Perguntei- lhe por aquele tempo, de quando éramos ainda realmente jovens, ingénuos*, arrebatados, patetas, incautos. Alguma coisa ficou, a juventude não- respondeu. (p. 11) O escritor italiano morava em Lisboa e era apaixonado pela língua portuguesa. Tabucchi morreu no ano passado de câncer. Conheci a obra de Tabucchi depois de sua partida no ano passado (Vecchiano, Pisa, … Continuar lendo “O tempo envelhece depressa”, Antonio Tabucchi

Resenha: Crime e Castigo, de Fiódor M. Dostoiévski

(...) a compaixão, em nossos tempos, está proibida pela Ciência. (p. 23) Começo dando um conselho: não perca tempo. Não temos tempo para ler tudo o que gostaríamos durante a nossa vida, então comece pelos melhores, os clássicos como "Crime e Castigo", por exemplo. Segundo conselho: não desista nas 100 primeiras páginas, porque é a partir … Continuar lendo Resenha: Crime e Castigo, de Fiódor M. Dostoiévski